Descobrindo a tecnologia, desvendando a ciência

Qual o nível de segurança do FaceID do iPhone X?

14/09/2017 as 23:45 | Categoria: Mobile

Qual o nível de segurança do FaceID do iPhone X?

Uma das novidades que o iPhone X traz ao usuário é o desbloqueio a partir do FaceID - scanner de reconhecimento facial desenvolvido pela Apple especialmente para esse iPhone - aposentando o botão home e o desbloqueio a partir do scanner de impressão digital.

Mas a grande questão que deixa essa inovação trazida pela Apple é a sua segurança, será que o FaceID pode ser burlado? Ou então, será que ele falhará em condições não previstas, como em uma mudança estética na face do usuário?

Segundo a Apple, as chances do sistema de impressão digital - sistema usado até então nas outras versões de iPhone - são de um em 50.000. Se tratando no novo desbloqueio facial as chances diminuem para um em 1 milhão (1.000.000). A Apple não revelou como chegou a esses números.

A Apple explica que os sensores frontais trazidos junto ao telefone encaram o usuário e a cada desbloqueio, o sistema do FaceID aprende um pouco mais sobre a fisionomia do usuário. Esse sistema é a garantia da empresa para que mesmo no escuro ou após mudanças estéticas o sistema continue a funcionar.

Outra questão lançada pela imprensa foi com relação a privacidade e segurança dessas informações estéticas do usuário e se são devidamente protegidas a ponto de não serem violadas.

A empresa respondeu dizendo que o sistema não trabalha apenas no dispositivo do próprio usuário, nenhuma informação é sincronizada em nuvem ou qualquer outro serviço via web, além de serem criptografadas de ponta a ponta.

A Apple revela que o FaceID é a prova de falsificações, ou seja, o celular jamais poderá ser desbloqueado quando o usuário estiver dormindo ou a partir de uma foto, isso porque o sistema utiliza de algumas informações oculares para fazer a leitura.

A única preocupação de especialistas e dá própria Apple com o FaceID é com relação ao desbloqueio através de indivíduos geneticamente próximos ao usuário, gêmeos idênticos podem facilmente ser confundidos pelo sistema, um percausso que até mesmo o desbloqueio biométrico enfrentou.

"O reconhecimento facial provavelmente não será falsificado por uma foto 2D ou uma máscara, mas é mais provável que seja falsificado por uma pessoa que parece semelhante, como um familiar próximo ou um gêmeo", Brian Brackeen, CEO da empresa de reconhecimento facial Kairos.

A verdade é que se o FaceID do iPhone X pode ou não ser burlada só poderemos saber dia 3 de novembro, o dia em que o smartphone chegará as lojas.

Postagens Relacionadas