Descobrindo a tecnologia, desvendando a ciência

Novo tratamento faz câncer se autodestruir sem afetar células saudáveis

10/10/2017 as 02:26 | Categoria: Ciência

Novo tratamento faz câncer se autodestruir sem afetar células saudáveis

Cientistas da Faculdade de Medicina Albert Einstein desenvolveram um composto que inicia um processo de suidicio em célular cancerosas mantendo viva as células saudáveis. O composto foi testado com sucesso em células de leucemia mielóide aguda, mas os cientistas acreditam ser capaz de dirigir o tratamento aos outros tipos de câncer.

"Esperamos que os compostos direcionados que estamos desenvolvendo se tornem mais eficazes do que as terapias anticancerígenas atuais, causando células cancerosas diretamente para se autodestruir", afirma Evripidis Gavathiotis, Ph.D., professor associado de bioquímica e de medicina e autor sênior do estudo. "Idealmente, nossos compostos seriam combinados com outros tratamentos para matar células cancerosas de forma mais rápida e eficiente - e com menos efeitos adversos, que são um problema muito comum com quimioterapias padrão".

A AML - sigla em inglês de leucemia mielóide aguda - representa um terço dos casos de leucemia no Mundo. A cada ano, 10 mil pessoas no Brasil descobrem casos de AML, e a sua taxa de sobrevivência é de apenas 30%.

O recém-descoberto composto combate o câncer desencadeando a apoptose - um processo importante que destrói o corpo de células indesejadas ou com defeito.

A apoptose ocorre quando o BAX - a "proteína executor" nas células - é ativado pelas proteínas "pró-apoptóticas" na célula. Uma vez ativadas, as moléculas de BAX se encaixam e colocam os buracos letais nas mitocôndrias - as partes de células que produzem energia. Mas muitas vezes, as células cancerosas conseguem impedir BAX de matá-los. Eles asseguram sua sobrevivência, produzindo grandes quantidades de proteínas "anti-apoptóticas" que suprimem BAX e as proteínas que a ativam.

"Nosso novo composto revive as moléculas de BAX suprimidas em células cancerígenas por ligação com alta afinidade a ativação da BAX", diz o Dr. Gavathiotis. "BAX pode então entrar em ação, matando células cancerosas, deixando as células saudáveis intactas".

Os planos exigem que o Dr. Gavathiotis e sua equipe vejam se o composto chamado de BTSA1 mostrará eficácia similar quando testada em modelos animais de outros tipos de câncer.

Postagens Relacionadas